A infelicidade da hipocrisia

24/06/2019

O termo 'Hipocrisia' é classificado como o ato do fingimento. Todas as vezes em que estamos dizendo ou agindo como se fossemos uma coisa, sendo outra, estamos sendo hipócritas. 

É interessante percebermos que quando somos hipócritas com o outro, estamos sendo primeiro e na verdade hipócritas é conosco mesmos, pois não tem propriedade de emoções, de atos e assuntos aquele que de fato finge. Caso contrário, não fingiria. 

Não é novidade que em nossos dias tenhamos tanta hipocrisia no que concerne a representarmos papéis que, no privado de nossa vida, não honramos. E logicamente os maiores prejudicado somos nós mesmos quando assim agimos.  

Mesmo que aparentemente o prejudicado seja o externo, ainda é o externo quem sofre esse prejuízo em maior conta. 

Mas...quais as consequências do exercício da hipocrisia em nossa vida pessoal? 


Aquele que finge, não consegue mais valorizar a si mesmo

Nossa vida é formada de nossas crenças em nossa capacidade de manifestar desejos, de realizar sonhos, de atingir situações que nos privilegiam. Quando alimentamos a hipocrisia - enganados por nós mesmos - menos conseguimos produzir estofo emocional para completarmos nossos intentos e para permanecer neles.  


Aquele que é hipócrita, não acredita em seus próprios potenciais

Temos em nós mesmos o hábito de julgar o externo a partir do que construímos no interno, pois somos nosso maior, melhor e mais próximo referencial sobre o funcionamento da vida. Quando desconstruímos essa base, passamos a considerar os demais e às oportunidades sob o ponto de vista de nossa (auto)enganação. 


O que não é verdadeiro consigo constrói sua própria infelicidade 

Em termos emocionais e de saúde física, falseamos em nosso poder de criar realidade pessoal adequada quando gastamos energia com desnecessidades hipócritas. 


O hipócrita é cruel consigo mesmo 

Ao não considerar o outro como nossa extensão, começamos a criar desamor conosco através do comportamento não amoroso com os demais. Além disso, ao entrarmos no jogo perigoso da hipocrisia, acabamos por sustentar a vaidade e orgulho pessoal que não nos ajuda a sermos ajudados quando precisamos de amor, de amizade, de lealdade. E, ei, ninguém vive sozinho. Assim, a prática da hipocrisia significa destruir nossas próprias possibilidades - que se sustentam através do outro. 

Imagem: Pixabay
Imagem: Pixabay

A hipocrisia é um ato de aborto 

Através da prática da hipocrisia abortamos o sucesso, expresso pela integridade existente no movimento do vir-a-ser (o que desejaríamos). 


Como evitar cair na hipocrisia dos demais?

Observar de quem vem a instrução, a admoestação, a orientação, ajuda bastante a não nos sobrecarregarmos com afazeres que possam de fato ser complicados para nossa vida naquele determinado momento de nossa vida. Observar a condição de vida da pessoa, sua organização pessoal, sua disciplina, o modo como ela lida com suas emoções e com suas próprias atividades pode nos ajudar a perceber "como" ela dá conta de seu próprio recado. Indagar dela suas dúvidas pedindo orientações mais aprofundadas pode ajudar a perceber que...nem tudo o que reluz é ouro. 

E se diante da observação pudermos perceber que o sugerido por ela é de fato genuino, podemos processar o ensinamento, ajustar o chamado caminho das pedras e repassarmos o que nos foi passado de modo homogêneo. 


Como não cair na tentação vaidosa da hipocrisia?

Questionar-se sobre a pureza, sinceridade e honestidade do que emitimos, do que indicamos, do que sustentamos, nos ajuda a expor apenas aquilo que é genusino. Desse modo, ao sermos questionados sobre a veracidade de nossa expressão, ajudamos o outro. E, mais importante, ao seguirmos nossa própria integridade, nos estimulamos a continuar marcando nossa trajetória pela preciosidade clara de sabermos quem somos. 

Não há quem consiga tirar o valor daquele que é fiel a si mesmo. Esse de fato coopera. Consigo. E só por isso, com os demais.