Hipnoterapia vs Suicídio

10/09/2018

A vida é coisa valiosa, é coisa bela...vale a pena cada segundo dela.


Dois mil e treze foi o ano. Vinte e quatro de dezembro. Começaram a chegar carros de bombeiros e viaturas de polícia. Os profissionais subiram as escadas do prédio e arrombaram a porta. [...]  Nunca mais meus natais foram os mesmos. Aquele acontecimento jamais me abandonou. [...] E por muitas vezes pensei fazer o mesmo. Mas...eu tinha 26 anos enquanto ele...ele tinha 47 anos. Então, após procurar ajuda, consegui compreender tudo o que havia ocorrido. Aprendi que todos temos asas. E recomecei a voar.

(A.L.W.).

Setembro Amarelo é uma iniciativa brasileira de prevenção ao suicídio iniciada em setembro de 2014, contando com o apoio do CVV (Centro de Valorização da Vida), do CFM (Conselho Federal de Medicina) e da ABP (Associação Brasileira de Psiquiatria). Mundialmente, a IASP (Associação Internacional para Prevenção do Suicídio) também divulga o projeto.

Durante todo o mês de setembro, é comum ver espaços públicos e privados decorados e/ou iluminados com a cor amarela. O período foi escolhido porque 10 de setembro é o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o suicídio é atualmente responsável por uma morte a cada 40 segundos no mundo.

Segundo a Associação Catarinense de Psiquiatria, a cor da campanha foi adotada por causa da história que a inspirou. "Em 1994, um jovem americano de apenas 17 anos, chamado Mike Emme, tirou a própria vida dirigindo seu carro amarelo. Seus amigos e familiares distribuíram no funeral cartões com fitas amarelas e mensagens de apoio para pessoas que estivessem enfrentando o mesmo desespero de Mike, e a mensagem foi se espelhando mundo afora."

O carro era um Mustang 68, restaurado e pintado pelo próprio Mike. Os pais de Mike, Dale Emme e Darlene Emme, iniciaram a campanha do programa de prevenção do suicídio "fita amarela", ou "yellow ribbon, em inglês.

Fonte: Wikipedia


Por que as pessoas se suicidam?

Os motivos são diversos, pessoais e devem ser respeitados. Suicídio independe da idade. Sofrer é humano e ampliar a maturidade pessoal é possível. Tirarmos o tema da linha do tabu é importante.

Não, as pessoas não falam ou ameaçam se suicidar porque querem chamar a atenção, ou porque não têm Deus no coração. Pessoas se suicidam porque se sentem tristes pelo peso da vida. O peso da vida é formado pelas frustrações, pela solidão, pela falta de confiança na humanidade, por um amor não correspondido, pela falta de perspectivas profissionais ou pessoais, por sentir-se excluída de seu grupo, pela aparente falta de soluções em relação a qualquer desafio individual, entre outras questões de foro íntimo.

O ideal nesse caso é buscar ajuda, conversar, apoiar-se...ou procurar alguém que possa lhe ajudar a fazer isso se você acreditar que não tem condições para tanto.


Como a Hipnoterapia pode ajudar na prevenção do suicídio?

Na prevenção do suicídio, a Hipnoterapia busca identificar os fatores pelos quais a pessoa se sente inclinada ao suicídio e, através das sessões, promove o encontro da pessoa consigo mesma ajudando-a a ressignificar seus valores, oportunidades e perspectivas pessoais. Com o uso de metáforas no processo, o cliente/paciente amplia sua compreensão sobre pessoas, situações e desafios, fortalecendo seus pontos positivos e seu amor próprio. Ao longo do tratamento ocorre a avaliação pelo próprio cliente/paciente e o Hipnoterapeuta passa a ajustar as dificuldades dentro das próprias sessões. Ancoragens emocionais são indicadas e o Hipnoterapeuta pode se transformar em apoio regular lembrando a seu cliente/paciente que ele está em processo de tratamento e que não está sozinho, jamais estará.


Ela já havia passado por tratamento psiquiátrico para cuidar da depressão, depressão justificada pela falta de emprego, término de um relacionamento amoroso e dificuldades de sentir-se adequada em sociedade. Havia perdido o sentido da vida. Na mesma semana dei a ela um sinal de ancoragem emocional estabelecido dentro da sessão. Uma vez por semana eu lhe enviava uma imagem representando o sinal de ancoragem para lembrá-la de repeti-lo.

No segundo mês de tratamento conseguia dizer de si mesma: nunca pensei que seria tão fácil, até as músicas que eu escutava antes e que me faziam sentir tristeza, atualmente não me fazem sentir assim.

Começou a acreditar em seu potencial profissional e conseguiu trabalhar sua autoconfiança de modo que foi recolocada no mercado de trabalho no terceiro mês do tratamento hipnoterápico.

(Luciene Lima, Hipnoterapeuta)


Lembre-se sempre:

- A vida é um parque de diversões e esse parque é mais bonito porque você está nele. E brincar nesse parque de diversões - que é a vida - é um grande barato. E se agora você está chateado, isso é só uma fase. Prometo. Posso prometer porque já passei por isso...muitas pessoas passaram por isso. E a fase passou. Elas buscaram ajuda, saíram um pouco, deram um passeio pela rua onde moram, brincaram com seus cachorros ou até mesmo com os cachorros que estavam caminhando pelas ruas, elas fizeram listas de coisas pelas quais serem felizes, elas arquitetaram seus sonhos, lembraram-se das pessoas que as amavam, das lembranças gostosas que todos temos em nossas vidas e...quando pensaram novamente nos motivos pelos quais poderiam desejar abandonar a vida, perceberam que os motivos eram temporários e que o sol poderia nascer outra vez. E nasceu.


Isso me faz lembrar de um texto que li quando adolescente...ele é assim: 

Era uma vez um ursinho.

Um dia, sentindo frio, o ursinho indagou:

- Mãe, meu pai sentia frio?

Sua mãe lhe disse:

- Sim, pequeno urso, seu pai sentia frio.

O ursinho ficou ponderando por alguns minutos até que perguntou:

- Mãe, e meu avô? Ele também sentia frio?

Ao que a mamãe urso respondeu:

- Sim, meu pequenino, seu avô também sentia frio.

O ursinho continuou matutando em sua cabecinha de urso e lançou:

- Mãe, e meu bisavô? Ele também sentia frio?

Mamãe urso abraçou seu filhote, como só os ursos sabem abraçar, e disse:

- Sim, meu ursinho, seu pai, seu avô, seu bisavô...e todos os ursos antes deles...todos sentiram frio. É comum sentir frio. Não há nada de errado com você. O inverno vai passar e um dia seus filhotinhos também sentirão frio. E tudo continuará bem, pois, por mais estranho que possa parecer, o inverno vai passar e com ele o frio irá.

 

Se você conhece alguém que pode estar pensando em suicídio se aproxime, esteja perto, caminhe junto. Convide essa pessoa para sair, para tomar um café, um suco, não importa... Escute músicas com essa pessoa, partilhe um livro, um CD, uma revista...Leve um doce, escreva uma mensagem, partilhe um poema, conte uma piada... Acolha essa pessoa, escute-a, ria com ela...faça-a sentir-se especial, pois é o que todo somos.

Se isso não for o suficiente ou você não souber como fazer isso, diga a essa pessoa para buscar ajuda, não permita que ela entre em sua vida de mãos vazias e de mãos vazias saia. Todos nós somos responsáveis uns pelos outros e cada um tem um modo de contribuir para com a caminhada uns dos outros. E todos ganham nesse processo de autoapoio. Acredite. 

Uma vida é importante. Sempre foi. Sempre será. A sua. A minha. A nossa. E é essencial lembrarmo-nos disso em qualquer dia, em qualquer mês.